Gosto de andar por aí.
Desço as escadas a correr,
salto os degraus dois a dois
e num instante entro na rua.
Na rua não há tecto. Sopra o vento.
Às vezes chove, às vezes faz sol.
Na rua não há paredes. Há estradas, muros e lugares,
mas o mundo é enorme (acho que não tem fim).


"andar por ai" planeta tangerina, 2009
texto: Isabel Minhós Martins
ilustração: Madalena Matoso

5 comentários:

Tainha disse...

num conhecia esse texto, mas acho o mundo enorme, sem fim tal como.

bons dias

* disse...

li este poema agora, com a "boble" da hanne hukkelberg a crescer... pareceu que por um pouco o mundo se congregou num sorriso bom, a manter.
que bonito mesmo.

Teresa Queiroz disse...

é pena o mundo ter fim.... :(

José Eduardo Lopes disse...

Belo texto, mas é "num estante" ou "num instante"?

miguel. disse...

num instante...

erro meu erro meu... existe alguém mais distraído do que eu...

obrigado José E.L.