SÃO UM ERRO…

São um erro
estes braços e pernas
que já não funcionam

Quebram-se agora
e não há lugar para desculpas.

A terra não nos consola,
só te cobre
se tens a decência de permanecer calado.

O sol não perdoa,
olha e segue o seu caminho.

A noite penetra-nos
através dos acidentes que temos
infligido um ao outro.

A próxima vez que perpetremos
o amor, temos que
decidir primeiro quem vamos matar.


Margaret Atwood, in “qual é a minha ou a tua língua” assírio & Alvim
Org. Jorge Sousa Braga

3 comentários:

corpo visível disse...

.
é que temos infligindo ou infligido? é uma dúvida, não é uma correcção.
.
este poema é lindíssimo.
.

lebredoarrozal disse...

é fantástico é:)

miguel. disse...

corpo visível... obrigado pela atenção ao poema, era realmente uma gralha...

;)

lebre, o poema é realmente maravilhoso, entretanto estive a comparar esta com a tua versão, gosto das duas... e aproveitei também para ler mais algumas traduções tuas de outros poemas da Atwood...

:)