TODAS AS MANHÃS

Todas as manhãs, entre o enfiar
do sapato esquerdo e do sapato direito
ele vê a vida desfilar-lhe diante dos olhos.
Por vezes só a custo consegue
calçar o sapato direito.


Judith Herzberg, in "O que resta do dia" cavalo de ferro, 2008
trad. Ana Maria Carvalho

imagem: René Magritte [ le modèl rouge] 1936

1 comentário:

menina limão disse...

(...)


gostei muito deste post.