Paul Klee [ golden fish ] 1925


NATUREZA MORTA

Tinha uma carne de malmequeres, fina e translúcida,
com ténues veios de ametista, como o desenho sutil dos rios.
E ainda ficava mais branco, naquela varanda cheia de luar.

Os outros peixes nadavam gloriosos por dentro das ondas,
subiam, baixavam, corriam, brilhavam trêmulos de lua,
sem saberem daquele que não pertencia mais ao mar.

Deitado de perfil, em crespos verdes sossegados,
ia sendo servido, entre vinhos claros de altos copos,
envoltos numa gelada penugem de ar.

Seu olho de pérola baça, olho de gesso, consentia
que lhe fossem levando, pouco a pouco, todo o corpo...
E à luz do céu findava, e ao murmúrio do mar.


Cecília Meireles, in "poesia à mesa" quasi, 2004

2 comentários:

inês leal, 31 anos à volta do sol disse...

que maravilha...*

marta disse...

coisas#1: hoje também tenho um peixinho dourado (escondido) no meu blog...