Mário Cesariny [frontispício de "o virgem negra"] 1989


É IMPORTANTE FODER

É importante foder (ou não foder)?
É evidente que não, não é importante.
Fode quem fode e não fode quem não quer.
Com isso ninguém tem nada
Mas mesmo nada
A ver.

O que um tanto me tolhe é não poder confiar
Numa coisa que estica e depois encolhe,
Uma coisa que é mole e se põe a endurar e
A dilatar a dilatar
Até não se poder nem deixar andar
Para depois se sumir
E dar vontade de rir e d'ir urinar.

Isso eu o quis dizer naquele verso louco que tenho ao pé:
"O amor é um sono que chega para o pouco ser que se é"
Verso que, como sempre, terá ficado por perceber (por mim até).

Também aquela do "outrora-agora" e do "ah poder ser tu sendo eu" foi um bom trabalho
Para continuar tudo co'a cara de caralho
Que todos já tinham e vão continuar a ter
Antes durante e depois de morrer.


Mário Cesariny, in "o virgem negra" assírio & alvim (1996)

2 comentários:

menina limão disse...

conheço uma pessoa que esteve várias vezes com o Cesariny e que me contou as mais mirabolantes histórias, ele era verdadeiramente uma personagem. então agora leio este poema e consigo imginá-lo no contexto das caras que vazia e dos trejeitos para mim descritos e não consigo parar de sorrir. este homem era grande e este poema é mais uma pérola.

Miosotis disse...

Estava eu com um probleminha na minha entrada no blog e resolvi dar um tempo ao PC para ele pensar se me deveria deixar entrar ou não......então naveguei por aí...até aqui...e gostei do que li!
Um bem-haja para você!