FIAMA HASSE PAIS BRANDÃO 1938/2007



RESPOSTA

«Eu vinha para a vida, e deram-me dias»
vivos com os seus lugares e espaço.

Ontem nasci sem fim, e alimentei-me
nesta mesa que em duas se reparte.
Uma aba no mar, vagante à toa,
trouxe sabores de ondas, de orlas.
Outra aba na terra mostrou-me as pedras
polidas, úberes, gastas. Pedras
densas que me encheram o ventre
e me criaram similar à Terra.
No mar tive cristais quebrados, jóias;
na Terra, tão nítida poeira branca
que fundi as formas das flores visíveis.

E hoje é este olhar profundo,
deriva das imagens pelo mundo.


Fiama Hasse Pais Brandão, in "Cenas vivas" relógio d'água

2 comentários:

cosal disse...

Sempre gostei de ler e reler a sua poesia...uns quantos ensaios...e uma ou outra novela.
Tinha entre mãos...relendo...CANTOS DO CANTO...de 93...quando chegou a notícia.
O CANTO DOS EPITÁFIOS...começa assim...TODOS OS DIAS SÃO DIAS DE FINADOS...DIAS DOS EPITÁFIOS E ROSAS E CRISÂNTEMOS.

Uma rosa para Fiama

Insignificante disse...

Grandes escolhas !;)