De quantas facas se faz o amor
de quantas pedras se faz o vício
de quantos homens se faz o medo
de quantas noites se faz a morte
de quantas vidas se faz uma criança
de quantas ternuras se faz o tédio
de quantas horas
será feita a esperança que guardo
com sons de corpo arrastado
de quantas grutas será feita
esta humilde nas veias
que me acordam
de quantos poros será feito o mistério
de quantos gritos será feita uma religião
de quantos ossos será feita
a maldade
de quantos crimes será feita
esta lua que mal começou
e já me deixou no hábito de apurar
os sentidos

Fernando Lemos

2 comentários:

Anónimo disse...

O quadro e o poema lindíssimos!

Anónimo disse...

Por um Rivoli abrangente e que continue a ser um espaço municipal que cruze diferentes tipos de espectáculos e públicos, o manifesto e a petição:

http://www.juntosnorivoli.com/

Um abraço. Jorge