Silêncio...

7 comentários:

Indy´dgo disse...

Silêncio forçado...
“Há países em que as circunstâncias – e os próprios criadores como elementos do meio – não deixam que os espíritos se realizem plenamente nas especialidades a que mais se inclinavam; não poderá um deles vir a ser um grande escultor, nem outro um profundo filósofo; ninguém os solicita e os anima, antes os obriga às tarefas inferiores que mecanizam e deprimem e lhes nega os meios indispensáveis a um trabalho seguro”.
(Agostinho da Silva, “Ir à Índia Sem Abandonar Portugal; Considerações; Outros Textos”, 2, 18, edição da Assírio & Alvim, Lisboa, 1994)

Anónimo disse...

Considerações voláteis:

Ausência da continuidade de som;
Inibição do suporte decibélico;

A arte de saber estar calado nos momentos chave duma invasão domiciliar;

Momento caracterizado por algum incómodo aquando duma cópula fracassada e onde por fracasso se entende uma relação inferior a cinco minutos;

Apatia oral...

franksy! disse...

*é o som que o nada faz*

marta disse...

Silence is sexy, já cantavam os Einstürzende Neubauten!

franksy! disse...

mas os Einstürzende Neubauten não são nada sexy... só se for mesmo o silêncio deles! [ups...]

Miguel. disse...

silence is very sexy...
Einsturzende Neubauten é muito bom, o Blixa Bargeld principalmente.

O silêncio é o lugar onde moram todos os meus pensamentos, fase de reflexão absoluta, umas vezes forçada, mas na maioria das vezes voluntária, saber se gostamos realmente de alguém é saber lidar com o silêncio, é no silêncio que nos entendemos...

é também o "som que o nada faz" mas é do nada que tudo se faz

Anónimo disse...

... nada: conjugar do verbo nadar na terceira pessoa do singular, arte de movimentar membros por forma a aceder a uma locomoção efectiva num líquido qualquer, seja ele água, vinho, urina, nitrato de prata...eu não sei nadar, yo!...