«Conheço agora alguma da minha capacidade… Sei o que quero fazer com a minha vida, tudo isto sendo tão simples, mas tão difícil para mim sabê-lo no passado. Quero dormir com muitas pessoas – quero viver e odeio morrer – não vou ensinar, nem tirar um mestrado depois de fazer a licenciatura…
Não tenciono deixar que o meu intelecto tome conta de mim, e a última coisa que quero fazer é admirar o conhecimento ou pessoas que detêm o conhecimento! Não quero saber da agregação de factos de ninguém, excepto quando for um reflexo [da] sensibilidade básica que necessito… Tenciono fazer tudo…»

Susan Sontag, in “Renascer” quetzal, 2010
trad. Nuno Guerreiro Josué

5 comentários:

cs disse...

obrigada por este momento. Vou comprar.
:)

Irmão Karamazov disse...

Se um morto não é inspirador, a culpa é do vivo.

Giuliano Quase disse...

"Quero dormir com muitas pessoas – quero viver e odeio morrer – não vou ensinar, nem tirar um mestrado depois de fazer a licenciatura…"

classudo!

estela disse...

quem me dera não querer saber da agregação de factos de ninguém.

obrigada miguel.
sempre muito bom.
:)

aquelabruxa disse...

ah, a sontag...