«EHEU!»

Aqui, junto ao mar latino,
digo a verdade:
Sinto em rocha, azeite e vinho,
a minha antiguidade.

Oh, que velho sou, Deus meu;
oh, que velho sou!…
Donde vem o meu canto?
E eu, para onde vou?

Conhecer-me a mim próprio
já me vai custando
muitos momentos de abismo
e o como e o quando…

E esta claridade latina,
de que me serviu
à entrada da mina
do eu e do não eu?…

Nefelibata contente,
julgo interpretar
as confidências do vento,
da terra e do mar

Umas vagas confidências
do ser e do não ser,
e fragmentos de consciências
de agora e de ontem.

Como no meio de um deserto
pus-me a clamar;
e vi o sol morto
e pus-me a chorar.


Rubén Darío, in "O mar na poesia da América Latina" assírio & alvim 1999
trad. José Agostinho Baptista

1 comentário:

pdah disse...

Caríssimos: adianto que o meu novo livro está a venda nos seguintes locais:

Livraria Trama , Lisboa
Livraria Poesia Incompleta , Lisboa
Livraria Pó dos Livros , Lisboa
Livraria Letra Livre , Lisboa

...em breve espero tê-lo em Évora, Porto e Faro.

O lançamento será algures em Setembro, algures em Lisboa. Não foi agora devido às providências cautelares interpostas pelos dois maiores partidos com assento parlamentar, a santa inquisição, várias obediências maçónicas e um talhante de Paderne.

Para saberem mais, é apenas visitarem

http://pdaherois.blogspot.com