SE O HOMEM PUDESSE DIZER

Se o homem pudesse dizer o que ama,
se o homem pudesse levantar ao seu o seu amor
Como nuvem na luz;
Se, quais muros que se derrubam,
Para saudar a verdade erguida entre eles,
Pudesse derrubar o seu corpo, deixando só a verdade do seu amor,
A verdade de si mesmo.
Que não se chama glória, fortuna ou ambição,
Mas amor ou desejo,
Eu seria o que imaginava;
O que com sua língua, seus olhos, suas mãos
Proclama ante os homens a verdade ignorada,
A verdade do seu amor verdadeiro.

Liberdade não conheço senão a liberdade de estar preso a alguém
Cujo nome não posso ouvir sem calafrios;
Alguém por quem me esqueço desta existência mesquinha,
Por quem o dia e a noite são para mim o que ele queira,
E meu corpo e espirito flutuam em seu corpo e espirito
Como troncos perdidos que o mar afoga ou ergue
Livremente, com a liberdade do amor,
A única liberdade que me exalta,
A única liberdade por que morro.

Tu justificas minha existência:
Se não te conheço, não vivi jamais;
Se morro sem conhecer-te, não morro, porque não vivi nunca.


Luis Cernuda, in "Antologia da Poesia espanhola contemporanea" assírio & alvim, 1985
trad. José Bento

6 comentários:

marta disse...

se morro [...] não morro, porque não vivi nunca.

...

há caminhos que na vida se cruzam. há conclusões que se tiram e se enunciam assim.

marta disse...

como te disse, realmente não é preciso ... mas ficava bem ...

miguel. disse...

:(

desculpa martinha, não foi por mal, desta vez foi mesmo por falta de tempo...
sabes que sim...
até porque ambos sabemos o quanto valem estas palavras escolhidas...

;)

marta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
marta disse...

tens mais sorte que juízo :D

sabemos pois ...

o que te livra é que daqui a uns tempos largos terás a sorte de acordar com a linda perspectiva dos meus dentes num copo com água ... é por estas e por outras que dizem que o amor é um gajo estranho :)

aquelabruxa disse...

que maravilha... às vezes acho que é isto a poesia (pelo menos para mim): dizer algo universal, com o que alguém algures sempre se irá identificar.