Jacques Dyssord [ Guillaume Apollinaire ] 1911


O ASSASSINO

Cada manhã quando me levanto
Uma mulher ergue-se diante de mim
Parece-se com tudo o que ontem
Soube do universo

No dia anterior penetrei
Nessa cabeleira
Bosque profundo e escuro
Onde crescem e se entrelaçam
Os ramos dos meus pensamentos
E na fábrica do rosto
Oh minha inimiga matinal
Fundiam-se e trabalhavam-se ontem
Todos os metais das minhas palavras

E nos seus punhos cerrados
Massas brutais de ferro
Reconheço reconheço
O martelo-pilão
Da minha vontade

Guillaume Apollinaire, in "O século das nuvens" assírio & alvim, 2007

2 comentários:

ana cristina leonardo disse...

desta vez gosto tanto do poema como do boneco. um abraço

Lou Camille (na vida real Sílvia A.) disse...

Miguel, quem és e por onde andas?
És um moço intrigante.