HORAS

Gelava o tempo branco do relógio.
Fundiu-se um dia o mostrador
aberto para dentro
num foco por onde as horas negras fugiram enlouquecidas!
Lá para longe na faixa rósea da distância
recuaram ante o incessante alarido dos sinos
e logo regressara
desesperadamente procurando em vão
o maquinismo do relógio.

Via-se o dia fechado de silêncio
num quadrado de luz amarelada
e de novo preso o pé do jovem
quando ia para sair.


Edmundo de Bettencourt, in "poemas surdos" assírio & alvim, 1981

2 comentários:

mar disse...

tic tac

M disse...

Belo poema!
Vou "favoritar" o blog! ;)