O meu coração desce,
Um balão apagado…
- melhor fora que ardesse,
Nas trevas, incendiado.

Na bruma fastidienta,
Como um caixão à cova
- porque antes não rebenta
De dor violenta e nova?!

Que apego ainda sustém?
Átomo miserando…
- se o esmagasse o trem
Dum comboio arquejando!...

O inane, vil despojo
Da alma egoísta e fraca!
Trouxesse-o o mar de rojo,
Levasse-o na ressaca.


Camilo Pessanha, in “clepsydra” assírio & alvim, 2003
imagem de João Abel Manta

3 comentários:

manuel disse...

Esta imagem que escolheste é fabulosa. Deve ser o melhor retrato dele.

miguel. disse...

e é mesmo... é muito difícil de encontrar uma imagem do Pessanha, e esta ilustração do Abel Manta é um bom retrato do autor, papoilas e um bom cachimbo de ópio... bem ao gosto do Camilo

:)

ana cristina leonardo disse...

Olá Manuel, ia dizer isso mesmo. fica dito duas vezes
Miguel, gostei que tivesses ido tomar café à pastelaria