A CABEÇA DO PATRÃO

Sobre atravessa decorada
Com rodelas de limão
A fumegar, bem escaldada
Eis a cabeça do patrão.

Jaz de pálpebras cerradas
Branco em fundo colorido
E pequenas fumaradas
Saem do crânio fendido.

Cruzam-se-lhe na testa alvar
Veiazinhas às dezenas
Que a luz parece tomar
Tal qual pálidas verbenas.

A língua aos poucos inchada
No seu banho de vapor
Parece, azul, granulada
O queixo de um velho actor.

A queixada ainda inteira
Envolta em fumaças finas
Mostra o arroz da mioleira
E as cavidades intestinos.

Duas rosas em poupa
Sobre a âncora do focinho
Parecem a crista ou a roupa
De um fabuloso estorninho.

Sobre a travessa decorada
Com rodelas de limão
A fumegar, bem escaldada
Eis a cabeça do patrão.

Gabriel Párvulo, in "a cozinha canibal"

imagem de Roland Topor

Sem comentários: