Conversas com Pedro Almodóvar



Com os filmes de Pedro Almodóvar, a ironia e os paradoxos da vida atingiram o paraíso. Surgiu um mundo cuja profundidade muitas vezes reside na aparência; um mundo em que já nada tem sentido, a não ser o que parece ser contra-senso, e em que as perturbações vêm restituir a ordem. Nenhum amor paternal é mais belo do que o da mulher que foi homem; nenhum elogio da feminilidade autentica é mais belo do que o do homem que se tornou mulher. Todas as verdades que Pedro Almodóvar sabe revelar por detrás dos paradoxos do amor e do sexo, da comédia e do drama, foram coroados em TUDO SOBRE A MINHA MÃE. Soube tornar tais verdades muito populares, ainda que, paradoxalmente, fossem muito pouco esperadas e escutadas. É por isso necessário acreditar nele quando, colocado perante a casualidade de ter ao longo da carreira centenas ou milhares de entrevistas, declara não gostar de entrevistas. Também este paradoxo é eloquente: conversar sobre os seus filmes implica correr o risco de privilegiar a premeditação para evocar um gesto de criação passional, instintivo e, como ele próprio afirma aqui, visceral.

Frédéric Strauss

Frédéric Strauss "Conversas com Pedro Almodóvar" 90°

4 comentários:

franksy! disse...

ora aqui está um livro que quero!!!
gosto muito deste senhor!

[eu gosto muito de muita gente...]

também gosto muito de ti, miguel! ;)

beijinhos!

magarça disse...

Pelo que li aqui, este livro é de leitura obrigatória!

kat_Jam disse...

Na prateleira do "a LER COM CERTA URGÊNCIA".
São tempos difíceis aqueles em que tentamos arranjar tempo para ler :)

cosal disse...

Tempo para ler...um dia fui para Assembleia da República...ouvir Vangelis
Papatequelcoisa e ler Céline...Tres em Pipa...era o livro...Ora...há sempre tempo para ler...basta querer...(fiz um verso)

Cumprimentos